minds in trees

por Tatiana Paiva

01 de outubro 2021

Compartilhe

(Des)Aprendendo com o Exemplo: “Inovar é um ato de coragem”

Executivo do setor de Saúde há mais de 20 anos, Rodrigo Guerra foge dos clichês e dá um passo atrás nos processos de inovação, tendo o pensamento crítico como ponto de partida de qualquer movimento transformador 

Por Tatiana Paiva

Esqueça os conceitos prontos de “fazer mais com menos” ou até a correlação entre obsolescência e inovação. Na prática, inovar é testar algo novo com alto potencial de dar errado. É correr riscos. É, acima de tudo, um ato de coragem.

É isso o que pensa Rodrigo Guerra, executivo com mais de 20 anos de experiência no setor de Saúde, consultor de inovação, criador do projeto Unbox e CEO da UP Health. Detentor de duas habilidades que, não raro, são distintas no universo dos negócios – o pragmatismo do executivo financeiro e a ousadia do líder de inovação – Guerra foi superintendente da Central Nacional Unimed na fase mais crítica da pandemia da covid-19 – momento no qual conduziu inovações que permitiram um melhor uso dos recursos sem perdas para a equipe ou para a qualidade da assistência, garantindo à organização prêmios inéditos de excelência em gestão.  

Sobre essas experiências e tantos (des)aprendizados, ele conversou com a Adriele Marchesini, nossa cofundadora, no episódio “Quem encaixotou a inovação foi você”, da série de lives (Des)Aprendendo com o Exemplo. Veja os pontos principais do bate-papo. 

Inovar é fazer escolhas sabendo da possibilidade de errar. A inovação é um ato de coragem

Oportunidades X erros 

Rodrigo Guerra abriu o bate-papo pontuando sobre as mudanças impostas pela pandemia, como a migração geral para o digital muito antes do que era previsto. “E isso abriu possibilidades fantásticas, mas tudo que é irrefletido conduz a erros”. O novo resultou em grandes oportunidades em termos de trabalho e inovação, mas errar – e muito – faz parte desse processo.

Não seja um gado digital

E se o assunto é transformação, o objetivo principal deve ser se tornar um agente ativo para que ela aconteça. “Não dá para ser gado, ser guiado a todo momento por hábitos e tendências que não fazem sentido para você e não melhoram em nada o seu trabalho”.  As tendências podem até ser um norte do que é esperado pelo mercado, mas nem sempre elas estão de acordo com o universo do seu negócio.

A tal da rota de saída da zona de conforto

“Reinventar um negócio é uma medida muito corajosa quando você está em uma posição executiva em uma grande empresa. Significa abandonar o que dava segurança e testar algo que pode dar errado. Pode dar medo de tomar decisões e fazer algumas apostas, mas com o tempo você vai sendo treinado.”

A inovação está em tudo…

Guerra está sempre atento às tendências, e um de seus segredos é assistir a muitos filmes de ficção científica. “A ficção científica mostra muito mais os anseios de uma época do que a projeção de outras, então acaba sendo uma profecia autorrealizável. É preciso ter referências”. 

… em tudo mesmo!

“A inovação não está em uma área, não está em um processo, está em um pensamento crítico”. Para o executivo, um erro muito comum das empresas é fazer a área de inovação à parte dos demais setores da empresa. “Inovar é parte da responsabilidade social do líder e vai além da modinha. É preciso criar uma escuta ativa e reunir pessoas com a percepção do que precisa ser inovado”.

Cuidado com os modismos

Para Guerra, toda palavra que vira um modismo tem potencial de ser subestimada, como é o caso da inovação. “Não é sobre correr atrás de tendências, nem fazer mais rápido e mais barato. Inovar é perceber necessidades e criar soluções que até então não tinham sido pensadas”. 

Projeto Unbox 

Guerra falou ainda sobre o Projeto Unbox, seu mais recente lançamento em parceria com a agência essense. “Esse é um convite para o diálogo, para a reflexão de incorporação de tendências nas nossas vidas. Para sermos donos de um destino, e não guiados por ele”.  O Unbox funciona como uma dose semanal de compartilhamento de conhecimentos que estimulam as transformações das pessoas, dos negócios e da sociedade. Conheça mais no site do Projeto Unbox e no instagram @projeto_unbox. 

Lembra das referências citadas pela Adriele Marchesini durante a conversa? Elas estão aqui:

Quer saber mais? Dê o replay na live!

Saiba mais:

(Des)Aprendendo com o Exemplo: “Gente insensível não tem humor”

(Des)Aprendendo com o Exemplo: “Ciência é um nome que assusta, mas é algo muito natural”

(Des)Aprendendo com o Exemplo: “A vida é muito curta para gastar com pessoas ruins”, com Ken Fujioka

Leia também

Não olhe para baixo

Eu desejo que você, um dia, permita-se experimentar o estado bruto da existência. Por que? Por
minds in trees

Transformação pessoal: 5 pensamentos que vão mexer com você

Veja alguns dos insights de destaque do Innovation Forum On 2021, realizado pela ScanSource Brasil com curadoria de ...
minds in trees

Assine nossas newsletters

Obrigado pelo cadastro! Nenhuma newsletter selecionada! E-mail em formato incorreto!