minds in trees

por Tatiana Paiva

04 de agosto 2021

Compartilhe

(Des)Aprendendo com o Exemplo: “Gente insensível não tem humor”

A humorista Verônica Debom fala sobre como usamos a comédia no dia a dia – inclusive, como válvula de escape para lidar com a dor

Tatiana Paiva

“A vida é uma comédia para quem vê e uma tragédia para quem sente. Tudo é uma questão de ponto de vista”.

Profundo, não acha? E, também, real. Mas, já que o assunto era comédia, as risadas tiveram muito mais espaço no bate-papo da Verônica Debom, atriz, escritora e roteirista, com a Adriele Marchesini, nossa cofundadora. Em mais um episódio da série (Des)Aprendendo com o Exemplo, o tema da conversa foi  “Comédia é a colher de açúcar que faz o remédio descer”. 

Além de refletir sobre a importância do humor do nosso dia a dia, Verônica falou sobre arte, sociedade e até cultura do cancelamento. Quer saber como foi a nossa live? Nós listamos os highlights por aqui.

A arte intrínseca em nós

“A gente é arte”.  Para a roteirista, somos artistas desde o nascimento: dançamos antes de andar, cantamos antes de falar. Nesse mesmo sentido, Verônica acredita que seguir o caminho da comédia não é exatamente uma escolha, é sobre ser. “Somos vítimas da comédia e, ao mesmo tempo, salvos por ela”. 

Não é falta de sensibilidade, é comédia

Será que a comédia é mesmo a habilidade de deixar as pessoas constrangidas? Verônica acredita que essa arte é uma forma de lidar com aquilo que não é de fácil “digestão”, uma forma de lidar com a dor. “Muitos comediantes estão acostumados a fazer graça com a própria tragédia e acabam parecendo insensíveis aos outros. Mas gente insensível não tem humor”.

Arrependimento ou cancelamento

A atriz acredita que o humor é um produto cultural e varia de acordo com o pensamento e construção da crítica da sociedade de cada época. Ao mesmo tempo, ela não se diz contra a cultura do cancelamento em relação a quem profere discursos carregados de preconceitos. “Eu acredito que quem sabe pedir desculpas continua tendo seu espaço”.

Os dilemas da carreira de atriz

“Mesmo na comédia, já fiz personagens com comportamentos que eu não concordo. Fiz coisas que não acredito, mas que precisava fazer. É uma constante negociação, uma verdadeira queda de braço entre cultura e sistema.”

Quer saber mais? Dê o replay nos MELHORES momentos da live!

Saiba mais:

(Des)Aprendendo com o Exemplo: “Ciência é um nome que assusta, mas é algo muito natural”

(Des)Aprendendo com o Exemplo: “A vida é muito curta para gastar com pessoas ruins”, com Ken Fujioka

(Des)Aprendendo com o Exemplo: “Quando tudo falha – o físico, o psicológico, o mental – você levanta e diz: eu não posso morrer aqui”

Leia também

Não olhe para baixo

Eu desejo que você, um dia, permita-se experimentar o estado bruto da existência. Por que? Por
minds in trees

Transformação pessoal: 5 pensamentos que vão mexer com você

Veja alguns dos insights de destaque do Innovation Forum On 2021, realizado pela ScanSource Brasil com curadoria de ...
minds in trees

Assine nossas newsletters

Obrigado pelo cadastro! Nenhuma newsletter selecionada! E-mail em formato incorreto!