brand2biz

por Tatiana Paiva

10 de novembro 2020

Compartilhe

(Des)Aprendendo com o Exemplo: como (não) fazer conteúdo autoral

No sétimo episódio da série, o jornalista e escritor Sergio Vilas-Boas destacou passos importantes e as piores práticas no processo de criação de um texto

Há quem diga que escrever é uma arte… e é mesmo. Mas viver da escrita é um trabalho como qualquer outro e precisa levar em conta, também, a atenção aos prazos. Então, como aprimorar uma arte, desenvolver um bom processo de criação e entregar o melhor serviço em uma data previamente estipulada?

Para o jornalista Sergio Vilas-Boas, um dos maiores especialistas em escrita de não-ficção no Brasil, além de consultor em narrativas, o primeiro passo é separar o processo de escrita artística, livre e sem prazo, da escrita cotidiana, aquela que é parte da carreira. “Mas todo mundo que está conectado precisa aprender a escrever”.

Doutor em biografias pela Escola de Comunicações e Artes da USP,  vencedor do prêmio Jabuti de 1998 pela obra “Os Estrangeiros do Trem N”e criador do site “Repensando Atitudes”, Sergio foi o sétimo entrevistado na série de lives (Des)Aprendendo com o Exemplo. No episódio “As cartas que você não manda”, ele conversou com Silvia Paladino sobre as piores práticas no processo de escrita.

1- Desprezar o seu momento

Em 2016, Sergio se mudou para a Itália e, nesse mesmo período, ficou dois anos sem escrever. “Eu não estava sentindo prazer na escrita, e a pausa me fez muito bem. Até então eu estava em ritmo acelerado, comecei a me sentir sufocado. Esse tempo foi bom para relaxar”. 

Ou seja, se até um grande escritor e autor de mais de dez livros publicados precisa de momentos longe da tela e do teclado, respeite-se caso você não esteja no melhor momento para se dedicar à escrita.

2- Focar-se em técnicas e esquecer o próprio estilo

“Muito se fala em escrita de explosão, mas esse tipo de experiência nunca funcionou para mim. Tenho perfil de planejador”, exemplifica, referindo-se a uma das técnicas utilizadas para impulsionar o processo criativo. 

Entender qual a melhor técnica para seu estilo é, portanto, crucial. Durante a live, Sergio lembrou um ponto muito importante: tempo de escrita não é somente aquele em que você ficou em frente ao teclado. Ele pode ser contabilizado desde o momento em que você pensou no tema, tomou nota, viu filmes e buscou referências. 

3- Adotar formatos “manjados”

“Se um texto é para agradar gregos e troianos, é difícil que ele seja autoral. Escrever um texto autoral é não ter certeza do que vai acontecer depois de publicado. A autoria é algo de alto risco, com posicionamento e estilo bem marcados.”

4- Esquecer da revisão

Leia, releia, vá descansar, depois retome, leia mais uma vez. Quantas mudanças – e melhorias – podem sair quando você revisita um conteúdo?

“Duvide sempre do que acabou de escrever, volte em um texto várias vezes para melhorá-lo. Use todo o tempo que você tiver até a entrega”. 

5- Abraçar os clichês

“O clichê precisa ser combatido como um inseto. Há uma falsa sensação de que ele nos ampara, que é algo indiscutível, mas é o uso de uma linguagem desgastada para não dizer nada.” 

O tom pode parecer de bronca, mas Sergio destaca que o clichê pode, sim, ser usado e tem sua função, como uma brincadeira inserida no contexto. O que não dá é para basear seu conteúdo em uma chuva de lugares-comuns. 

O maior (des)aprendizado 

O tempo de escrita ensinou ao Sergio muito do que (não) fazer e, principalmente, aquilo em que deveria se aprofundar: conhecer a si mesmo. “A escrita é uma forma de me desafiar, e é uma via de mão dupla muito legal, porque ela é muito melhor quanto maior o autoconhecimento do autor. O processo de se autoconhecer é a capacidade de olhar a si mesmo em circunstâncias diversas, e assim é a escrita.”


Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por agência essense (@agencia_essense)

Saiba mais:

(Des)Aprendendo com o Exemplo: como reaprender a aprender?

(Des)Aprendendo com o Exemplo: as piores práticas por trás da gestão de uma startup

(Des)Aprendendo com o Exemplo: pessoas podem falar – e elas falam muita besteira

(Des)Aprendendo com o Exemplo: os bons (desa)conselhos de Luís Lobão

(Des)Aprendendo com o Exemplo: as (não) lições de comunicação de Cláudia Cotes

Leia também

Não olhe para baixo

Eu desejo que você, um dia, permita-se experimentar o estado bruto da existência. Por que? Por
minds in trees

Transformação pessoal: 5 pensamentos que vão mexer com você

Veja alguns dos insights de destaque do Innovation Forum On 2021, realizado pela ScanSource Brasil com curadoria de ...
minds in trees

Assine nossas newsletters

Obrigado pelo cadastro! Nenhuma newsletter selecionada! E-mail em formato incorreto!